Total de visualizações de página

terça-feira, 19 de junho de 2012

Eco...ntro


Suprimi todas as palavras em um soluço. Pasmei frente à folha em branco, essa reunião de todas as cores, de todas as luzes e não ousei manchá-la de intempéries. O meu canto não é do mundo! Não denuncia a falta de pão, nem a falta de mesa, nem a falta de cantos, nem falta outra qualquer por que geme os desgraçados. Por uma questão de negoísmo puramente. De que vale o eco dos desesperados? Acaso alivia (re)sentir dor?
O refúgio dos miseráveis é a alma alheia, não sua própria voz. Clamam o encontro dos corpos, o espelho dos olhos, o aposento do espírito. Já não come quem tem fome, nem sacia-se quem tem sede, morrem à entrega, rastejando em busca da mão que alimenta, não da comida! E quanto me fere o silêncio dos injustiçados! Pois eis que me aniquilo, aqui estou! É essa ausência que me reinflama e afunda o dedo em minha face apática. Como se o nada fosse o congresso de todos Sem Nomes, a eleger um manual linguístico.
Mas não sou digna dos necessitados. Traí a folha em branco!  Ecoei nas entrelinhas...

2 comentários:

  1. Ótimo texto, Indira!

    ResponderExcluir
  2. Traições não importam! Somos um conglomerado de contradições. A culpa tem se mostrado tão ineficiente. importante mesmo são os ouvidos dispostos aos ecos nas entrelinhas e a boca a calhar a ânsia de outra boca .

    ResponderExcluir